Palestra para Casais

Palestra para casais. Participe! Dia 14 / 06 /2014            Ligue: (11) 2771-8270            Buffet, Teatro, Palestra, brinquedos para crianças, valor casal sem criança: R$ 70,00 Valor com Criança: 20,00 por cada criança acima de 6 anos.           

terça-feira, 25 de março de 2014


Uma experiência de Vida

O que é o Evangelho.
Evangelho é um termo com significado religioso e se refere à mensagem de salvação pregada por Jesus Cristo. É uma palavra de origem grega que significa "Boa-nova". 

Mas na prática evangelho é pregar para quem não quer ouvir.

é amar quem não quer ser amado.
é orar por quem não quer ser salvo.

Já estive pregando na Maior penitenciária do brasil. ( Penitênciária do Estado de SP)

preguei para pessoas que foram presas injustamente,
preguei para pessoas que deveriam ser presas duas vezes mais,
a todos preguei a Jesus Cristo Justo.

Certo dia, estava em minha cela, quase dormindo.

e fui despertado por um grito que soava em toda a cadeia, já eram 23:00hs. Nesse
horário não podemos mais fazer barulho até a tv tem que se baixar o volume, é conhecido como o horário do silêncio. Mas nessa noite ninguém conseguia dormir, por volta das 23 h, todo o pavilhão se encheu de barulho. Eram gritos e um 
barulho que parecia de "tambor".
Despertado pelos barulhos fui até o guichê da porta e olhei para o alto, era de lá do 4º andar, que vinha o barulho. Não consegui descobrir de qual cela vinha, mas era de lá sem dúvida, percebi que todos os outros prisioneiros também estavam nos guichês das suas portas tentado entender o que estava ocorrendo. ( Na prisão temos que estar sempre alertas, tudo pode acontecer).
mas como não vi nada, voltei a deitar na minha cama. 
O barulho continuava, agora com palavrões e imaginei que aquele "tambor" deveria ser os guardas da prisão, fazendo alguma blitz, em busca de drogas. Isso é comum na Cadeia.
Mas de repente ouvi outro barulho que me chamou a atenção, ouvi chaves, de fato já conhecia muito bem esse barulho. Todas as vezes que o guarda vinha abrir as nossas portas, ouvíamos
aquele barulho, muitas chaves, pequenas e grandes, fazendo um barulho característico. Então eu disse: - Eles vão abrir portas. Outro barulho me fez mais atento, o das botas, eram umas cinco pessoas, cinco guardas, eles desciam as escadas, desde o 5º andar até o meu tinham
10 lances de escadas, e o barulho foi ficando mais perto do meu andar , pois eu morava no primeiro. Fiquei atento pois a cada segundo ele se intensificava mais e estava mais perto, de repente parou. Contei três segundos, pulei da cama, assustando, o coração acelerado, eles abriram minha porta, já era quase meia noite, cinco guardas da tropa de choque interna da prisão. O que aconteceu Senhor? disse assustado. - Você é o Pastor? perguntou o guarda.
-respondi: sim. O que está acontecendo? - Está ouvindo os gritos?  perguntou o outro guarda. -...balancei a cabeça, afirmativamente. - Então, ( falou o primeiro guarda ) pode ir ver o que esse cara tem, já tentamos de tudo, ele resistiu, e achamos que é alguma coisa ruim que tá nele. Você poderia ir lá e tentar alguma coisa?   - Espere só eu colocar uma roupa e passar água no rosto. Disse. Pulei dentro da roupa e subi com os guardas até o 4º andar, foi aí que percebí que por onde eu passava os outros presos estavam nos acompanhando dos guiches, no mínimo achando tudo aquilo muito estranho, eu quase podia ler os seus pensamentos: " O que o Pastor vai fazer?"
Quero deixar uma coisa bem clara aqui, esse nunca poderia ser o comportamento de algum guarda, naquele momento eles estavam quebrando todas as regras de conduta da prisão, imagina chamar um interno pra resolver um problema com outro interno, a noite. Eles corriam um grande risco, até sofrerem processo disciplinar, e se acontecesse algo comigo, eles seriam os culpados e consequentemente responsabilizados. Mas a situação era tensa e ficou mais ainda com a minha chegada, pois alguns dos  guardas não se sentiam confortável com o rumo que aquela situação estava tomando. Um dos que não concordavam disse: " Acho que ele não vai poder fazer nada". Ouvi quieto, mas contei o número deles, 12. Fiquei de frente com a porta do interno, o barulho, os palavões ...  abri o guichê da porta. Olhei para dentro e disse: - É o pastor! O cara  era bem mais alto que eu, tinha uns 1,90 e muito forte, pulava enquanto parecia lutar boxe com alguém invisível, e de vez em quando dava socos nas paredes, daí o som de tambor. Pulando alucinado, batendo no ar,  foi assim que ele resistiu aos guardas. O chão da cela estava forrado de cocaína e muitas notas de dinheiro espalhadas no chão, ( era traficante e membro  de uma facção), o cara suando tanto que pingava. Não falava coisa com coisa e uma voz que não parecia a dele, me dava arrepios, com palavras que não dava pra entender. Esse era o quadro. Olhei para os guardas e disse : - Podem abrir, ( acho que eles não acreditaram) abram a porta, pois vou entrar. Nesse momento, um dos guardas pareceu desgostoso com a situação, balançou a  cabeça segurou na ferragem do corrimão e disse: - Isso é loucura, e se o cara machucar ele? é melhor não. Parei. Olhei pros guardas que estavam comigo e disse: - Vocês me trouxeram aqui pra quê? - Abram, que vou entrar...
O guarda que tinha aberto a minha cela disse:- é por sua conta e risco. ( abriu, eu entrei e fecheu a porta atrás de mim).
Quando coloquei meus pês na cela, o cara avançou pra cima de mim, me levantou do chão como se fosse uma pena, eu quase bati a cabeça no teto da cela me vi em uma posição ruim apertado pelo meio.
Nesse momento, o cara gritou: - Faça de mim, um cristão!!! Me salva!!! E começou a falar em uma língua estranha. Era um demônio.
Do alto, coloquei minhas mãos sobre a sua cabeça e disse: - Sai, em nome de Jesus!!!
O cara que era forte como um touro, o braço dele era quase da grossura do meu pescoço, caiu no chão, e eu caí por cima dele. Levantei rápido e percebi que ele estava diferente, mais calmo, grogue. Peguei-o pelo  braço e levantei, levei o cara para o chuveiro e deixei a água molhar a sua cabeça, enquanto um enfermeiro entrou e aplicou-lhe uma injeção daquelas sossega leão. Voltei para os guardas e eles pareciam não acreditar no que acabaram de ver. Um simples detento parecia ter conseguido o que 12 guardas não puderam fazer. Mas não era isso, foi Jesus quem triunfou, onde o homem fracassou.
Voltei pra minha cela, Louvando a Deus e certo de que na manhã seguinte poderia pregar para aquele homem, a este Jesus que lhe havia restaurado a sanidade.Tinha certeza que ele seria salvo.
E a manhã chegou, fui até ele e fiz o que havia pensado. Mas a resposta dele é que ele não estava preparado para aquilo. 

Não estava preparado para ser LIVRE. 

O evangelho é isso, oferecer LIBERDADE pra quem não quer ser LIVRE.


Experiência de vida de um Pastor.

Max Idele